Livraria Vida Económica
Livraria Vida Económica
Redunicre MastercardVerified by Visa
PayPal Logo
Objetivo primordial: manter a empresa familiar sob o controlo da família

REFLEXÕES SOBRE EMPRESAS FAMILIARES A propriedade e controlo da família são a parte essencial do adn de uma empresa familiar e, normalmente, assegurados com a máxima força suportada na posse da totalidade do capital. Com o decorrer do tempo tendem a ocorrer duas situações que levam à entrada de novos acionistas e c...

ver mais
Prestação Social para a Inclusão

Segurança SocialDesde o dia 1 de outubro do corrente ano, que a Prestação Social para a Inclusão (PSI) foi alargada à infância e juventude, destinando-se a apoiar as pessoas com deficiência/incapacidade nos encargos acrescidos resultantes da deficiência. Esta prestação passa a ser atribuída també...

ver mais
Registo online mais barato 50%

Propriedade Industrial Uma marca é um sinal usado para distinguir produtos ou serviços de uma empresa no meio comercial. Além da marca, podem ser registados outros sinais do comércio: logótipos, denominações de origem, indicações geográficas, marcas coletivas, marcas de certificação ou de...

ver mais
Criação de juízos especiais para corrupção e acordos em julgamento

Corrupção e crimes conexosA criação de juízos especiais para julgar corrupção e crimes conexos, a possibilidade de os arguidos fazerem acordos em julgamento e melhorar a lei sobre o direito premial são algumas das intenções do Governo para a área da justiça.Estas e outras sugestões ser...

ver mais
A continuidade do legado e a tradição são a prioridade das empresas familiares

Reflexões sobre Empresas FamiliaresFalar do futuro a 20 anos implica uma visão e uns objetivos claros e abrangentes, pelo que assume enorme sentido e força nas empresas familiares a continuidade suportada em dois grandes pilares: o legado e a tradição.   É um sentimento comum que as empresas familiares valorizam acima de tudo a ...

ver mais
Despedimento ilícito

Trabalho e Segurança SocialO despedimento do trabalhador por iniciativa do empregador é considerado ilícito: - se for devido a motivos políticos, ideológicos, étnicos ou religiosos, ainda que com invocação de motivo diferente; - se o motivo justificativo do despedimento for declarado improcedente pelo tribunal; - se n&a...

ver mais
  
 
«  
 
  »
Ebook - Normalização Contabilística para Microentidades

€ 17,80 (IVA incl.)

Ebook - Normalização Contabilística para Microentidades - 2ª EDIÇÃO

João Manuel Lopes Gomes e Jorge Manuel Rodrigues Pires


Contém 50 casos práticos resolvidos com ilustrações de microentidades.

Inclui esquemas e ilustrações que facilitam o enquadramento dos diversos diplomas legais relacionados com a NCM.

Pontos com VidaAo adicionar este produto poderá acumular 17 pontos com vida. Ao finalizar esta encomenda poderá acumular 17 pontos com vida que poderão ser convertidos num vale de € 1,70.


  • Ebook - Manual de Prestação de Contas nas Sociedades Comerciais - 2ª edição
    € 17,85
  • Ebook - Custo Amortizado e Imparidade
    € 8,00

 

Esta obra contém:

• Regime da normalização contabilística para microentidades (NCM)

• Procedimentos contabilísticos aplicáveis já ao exercício de 2010

• Modelos de demonstrações financeiras simplificados com aplicação prática

• Novo código de contas para microentidades

• Norma contabilística para microentidades (NC-ME)

• Comparação da NC-ME com a NCRF-PE

• 50 Casos práticos resolvidos com ilustrações de microentidades

• Enquadramento fiscal das microentidades


Esta completa e prática edição, exclusivamente orientada para as microentidades, inclui ainda:

  •  orientações relacionadas com o preenchimento da declaração Modelo 22 do IRC pelas microentidades, cujo prazo termina no dia 31/05/2011; e

 

  • orientações relevantes para o preenchimento da IES – Informação Empresarial Simplificada, cujo prazo termina no dia 15/07/2011.


O Sistema de Normalização Contabilística (SNC), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho, entrou em vigor no dia 1 de Janeiro de 2010, aplicando-se à generalidade das empresas portuguesas. O novo normativo contabilístico, baseado nas normas internacionais de contabilidade do IASB, começou por diferenciar as pequenas entidades (PE) das demais entidades sujeitas à aplicação integral das normas contabilísticas e de relato financeiro (NCRF), permitindo-lhes a opção pela norma contabilística de relato financeiro para pequenas entidades (NCRF-PE).

Ainda assim, e pese embora os limites de enquadramento das pequenas entidades tenham sido alargados com a publicação da Lei n.º 20/2010, de 23 de Agosto, o novo modelo contabilístico foi alvo de fortes críticas por parte dos meios empresariais e profissionais, tendo em conta que a sua génese mais baseada em princípios do que em regras, obriga à manutenção de sistemas contabilísticos e de informação de suporte para o relato financeiro, para a qual as empresas de pequena dimensão não estão, como é evidente, devidamente apetrechadas e cujo benefício dificilmente supera o seu custo. Decorrente desta constatação, e fruto da experiência de aplicação durante o primeiro semestre de 2010, foi publicada a Lei n.º 35/2010, de 2 de Setembro, que instituiu um regime especial simplificado das normas e informações contabilísticas em vigor aplicáveis às designadas microentidades.

O regime de normalização contabilística para microentidades foi, entretanto, regulamentado pelo Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aplicando-se automaticamente já ao exercício de 2010, diferenciando-se do normativo aplicável às pequenas entidades, nomeadamente, pela simplicidade na elaboração do anexo. Aliás, esta medida de simplificação encontra-se em estreita sintonia com as recomendações emanadas da União Europeia, visando a redução dos custos de contexto das PME, tornando-as mais competitivas.

Neste livro são analisados os diversos diplomas legais relacionados com o novo regime de normalização contabilística para microentidades (NCM), com recurso a esquemas e ilustrações que facilitam o seu enquadramento. Para além disso, através da apresentação de casos práticos inspirados na realidade contabilística destas empresas, proporciona-se ao leitor as orientações relevantes para implementar o novo modelo contabilístico, evidenciando, sempre que necessário, as diferenças em relação ao regime das pequenas entidades.

Este manual fornece uma análise acessível, constituindo, essencialmente, um guia prático para os profissionais da contabilidade, permitindo, simultaneamente, a docentes e estudantes uma melhor compreensão destas matérias.

  • Autor(es): João Manuel Lopes Gomes e Jorge Manuel Rodrigues Pires
  • ISBN: 978-972-788-409-4
  • Peso: 0.576 Kg
  • Data de Edição: Novembro de 2011
  • Edição: 2ª Edição
  • Editor: Grupo Editorial Vida Económica
  • Idioma: Português
  • Medidas: 17.5x24.5 cm
  • Nº de páginas: 400

Os autores: A grande experiência e conhecimento dos autores na área Contabilística permite-lhes apresentar e discutir a aplicabilidade das NCFR, com o recurso a esquemas e ilustrações para facilitar a sua compreensão.

João Manuel Lopes Gomes, licenciado em Gestão de Empresas pelo ISLA – Instituto Superior de Línguas e Administração, mestrando em Gestão com especialização em Finanças pela Universidade de Évora. Especialização em Fiscalidade pela Faculdade de Ciências Económicas Empresariais da Universidade Católica Portuguesa.

Jorge Manuel Rodrigues Pires, licenciado em Informática de Gestão e em Gestão de Empresas pelo ISLA – Instituto Superior de Línguas e Administração, mestrando em Gestão com especialização em Finanças pela Universidade de Évora. Membro Estagiário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas.

Ambos os autores são Técnicos Oficiais de Contas e quadros superiores do Departamento de Consultoria Contabilística e Fiscal da RISA II, empresa do Grupo Moneris, onde exercem funções desde 1987. Formadores em matérias relacionadas com as IAS/IFRS e NCRF.

Pesquisar

Login

Bem Vindo, Entrar(login)

Carrinho  

(Vazio)

Catálogo Virtual